Afterword

“O trabalho do Helder tem vindo a transformar
quase todos os espaços  que normalmente habito.
Uma casa de família tornou-se no ponto de
encontro para fantasmas de mulheres esquecidas;
uma biblioteca numa  cidade de luzes azuis; e um
corredor numa passarelle glamorosa  iluminada por
um sol de vidro. Por vezes a fotografia tem a
capacidade de mostrar a ficção como mais verdadeira
do que a realidade. E o mundo  que o Helder
construiu tem a beleza da verdadeira fantasia.”
Filipa Malvadovalle

 

“O que é essencial é invísivel ao olhar”,
pois quem vê num primeiro olhar pensa:
sangue? que doentio! correntes? que
sádico. mas o essencial é a arte e a
homenagem que faz ao ser feminino,
pois na fotografia, ela é sempre o centro
do seu mundo e é através dela (da fotografia)
que lhe confere beleza e poder. A sua arte é
um exercício de olhar para além do óbvio.
Sandra Silva

 

O Helder foi o meu primeiro blind-date, encontramos-nos para uma conversa, o Helder tinha visto
 algumas fotos minhas no meu myspace e foi impossível resistir ao convite do Helder Alcaparra para
trabalhar nas suas fotos, o seu talento transborda na luz e mensagem das imagens que capta e
trabalha. A produção foi uma tarde maravilhosa onde o Helder teve de me aturar quando me mostrei
apreensiva quanto ás correntes e sangue, ele garantiu-me que nada disso seria uma prioridade, e assim
optamos por captar uma das minhas facetas criativas, a costura.desde o primeiro contacto que a minha
admiração pelo Helder é muita, tanto pelo seu talento como pelo seu empenho em concretizar toda a
sua arte de um modo independente, criando atmosferas complexas onde a elaboração da secção
fotográfica é pensada desde o figurino á acção, resultando num trabalho de autor que só o Helder
poderia idealizar.
Daniela “Yella”

 

Sonhos secretos de sangue, caos e morte,
como se houvesse prazer  no devaneio
sanguinario da imagem eternamente silenciosa.
A história que se resume na imagem e que
involuntariamente nos obriga a fantasiar sobre a
tortura e o que que se passou até aquela imagem final
Helia Mendes.

 

Depois de muito pensar e pouco concluir, digo-te querido Hel, tenho o enorme prazer
em conhecer alguém que canalize as sensações da forma como o fazes! É com muito
orgulho que dou a conhecer as tuas fotos a quem conheço, e ainda com mais orgulho
ao mostrá-las a quem me visita em casa!
Tenho desta forma o intuito de partilhar o que me faz vibrar, partilhar o que me transporta
para  um misto de realidade e fantasia.Bem sabes… fazes-me sentir «normal» num mundo de senso comum!
Desejo que todo o teu esforço e dedicação sejam reconhecidos, não só nesta tão nobre lusitãnia,
mas além fronteira também! Para mim, muito pessoalmente, és Edgar Allan Poe versão «fotocontemporânea»!
Catarina V.V.

 

É uma honra fazer parte dos
teus devaneios mentais. Sem
dúvida soubeste captar o meu
melhor ângulo. Parabéns!
Dora Lee

 

As criações visuais do Helder – pois vão além
da mera noção de fotografia – são como caixas
de Pandora. Uma vez aberta/exposta, a imagem
deita fora tudo aquilo que tememos admitir que
queremos ver e sentir. Trazem promessas de
sensações fortes e verdadeiras. Num mundo de
banalidade e correcção política, mais do que
interessantes, tornam-se necessárias. E fascinantes.
Pedro Homero

 

São raros e inconsequentes os projectos fotográficos a assumirem a forma de livro em
Portugal. Não questiono o trabalho dos fotógrafos nacionais, mas a realidade é que o
mundo editorial ainda não teve a ousadia de apostar em força neste género de
publicação. Louvo, por isso, os esforços do meu querido amigo Hélder Alcaparra que,
com grande persistência e investimento pessoal, conseguiu dar forma ao objecto que
o/a querido/a leitor/a tem agora em mãos. O seu mérito é ainda mais evidente dada a
especificidade temática e formal da sua fotografia. Tecnicamente é brilhante o modo
como nela a luz e a sombra se conjugam na criação de ambientes que nos abrem
janelas “indiscretas” para outros mundos; mundos onde a figura da(s) mulher(es) domina.
A máquina de Hélder Alcaparra, ao invés de escravizar o corpo da mulher tornando-o
um mero objecto, presta-lhe reverência resgatando a sexualidade e o erotismo feminino
de conotações sexistas e misóginas. Na sua fotografia, não existe a dicotomia Virgem/Puta.
Existem sim, mulheres fortes tanto na sua fragilidade como na sua violência.
Catarina M

 

Sangue, tripas, putrefacção… A tua objectiva
conseguiu focar a subjectividade da beleza,
manifestando que esta pode ser encontrada
nos lugares mais lúgubres e decadentes da
humanidade.
Inês Bizarre

 

“Entrar num mundo secreto de pesadelo e terror,
pincelado por breves momentos em que o passado
das histórias com muito por contar parece revelar-se;
em seguida, acordar para a sensual escuridão da
realidade que é ou promete ser. Por vezes cru e por
vezes rebuscado. Sempre estimulante.
Catarina Sousa

 

“Simplesmente brutal !
Catarina Pereira

 

“Maior parte dos sonhos
morrem empoeirados na
gaveta dos desejos, outros
são acarinhados de tal forma
pela força da determinaçao
que se tornam vivos. “
Sofia Verdon

 

“Não estás interessado na fotografia como simples impressão
da luz. Estas imagens só nascem depois dum processo no
qual o premir do botão da câmara é apenas uma fase. Mas
embora uses a tecnologia digital, a tua obra insere-se na
tradição do retrato. Daí a coerência das séries: em cada
uma vemos o modo como olhas e revelas estas raparigas.
É um olhar expressivo pela técnica. E uma revelação
enigmática pelo estilo.”
Sergio Dias Branco

 

“Well, my big brother, don’t really know what to say or how to say it…
Personal public speeches are not exactly my (or yours…
eheh) special talent. But I couldn’t miss the chance to say in public
(as I have been doing in private since I can remember, even if you
aren’t aware of it), how much I admire you, your character and your
work. Your simplicity, humbleness and perfectionism are reflected
in every thing you do and have resulted in excellent photography work.
I always had the great honour to see most of your photos “first hand”,
expect to continue to do it and am lucky to be honest when I say that
I love the work you do. Keep it up!”
Maria do Céu Alcaparra

 

“Muito para além dos estigmas está…
a Arte! E a capacidade de recriar a
vida em sonho, a partir de um sonho
de vida. A fotografia tem, e terá sempre,
o peso incontornável da verdade. Dos
momentos, apenas o Helder saberá.
A nós, espectadores, chega-nos o prazer
dessas horas fora de tempo.”
Sofia Silva

 

Foi ser outra nas tuas mãos,
metamorfosear-me com as cores e as luzes;
ser dispersão em mim e união contigo.”
Vanessa Dias

 

“A fucking great work you have
  here boy!”
Pauline Rome

 

Que genero de fotos são estas Helder?
tens de parar de beber rapidamente!
Vera Moinho

 

“Um trabalho extremamente bem explorado ao nível da manipulação
das características individuais de cada modelo”
Susana Neto

 

Adorei trabalhar contigo…. és dotado de um poder mágico de extrema
criatividade e sensibilidade fotográfica e edição.
Lótus